Blog de um algarvio, nascido e criado em Olhão, orgulhoso da sua terra, adepto fervoroso do S.C.Olhanense, licenciado em Biologia pela Universidade do Algarve, e mestre em Biologia da Conservação pela Universidade de Évora.
publicado por Ventura | Sábado, 28 Junho , 2008, 13:26

Os "elos perdidos" da história do grupo de peixes que se transformou em vertebrados terrestres são cada vez mais "elos achados". Cientistas acabam de anunciar a descoberta dos fósseis de mais um animal nessa fase de transição, na Letônia. Baptizado com o nome de Ventastega curonica, o animal foi descrito a partir de um crânio e outros três ossos.

Apresentado na revista Nature, o animal preenche a lacuna entre o peixe Tiktaalik roseae, a forma intermediária entre peixes tradicionais e os primeiros vertebrados de quatro patas, ou tetrápodes, como o primitivo Acanthostega.

A descoberta de formas intermediárias é tradicionalmente prevista pelos biólogos evolucionistas. A sua suposta "raridade" no registo fóssil costuma ser criticada por grupos religiosos que não aceitam a evolução e defendem uma criação divina dos seres vivos.

Os biólogos demonstraram várias dessas formas intermediárias, mas a mais simbólica popularmente foi um "peixe de quatro patas" revelando a passagem dos vertebrados da água para a terra.

Per Ahlberg, da Universidade Uppsala (Suécia), e mais quatro colegas mostraram como o fóssil de Ventastega curonica tem um crânio que lembra um tetrápode primitivo, mas com proporções de um peixe.

A evolução dos peixes para os vertebrados terrestres ocorreu entre 360 milhões e 380 milhões de anos atrás, no Período geológico Devoniano. Não foi algo tão simples de acontecer --como seres vivos com barbatanas que viviam em águas profundas puderam passar à terra e andar com patas?

O mais provável é que esses primeiros seres "anfíbios" tenham surgido em águas rasas e ambientes pantanosos. As adaptações necessárias ou úteis seriam a capacidade de respirar oxigénio, olhos no alto da cabeça para ver tanto dentro como fora da água e finalmente barbatanas transformadas em patas para facilitar a locomoção terrestre.

Ahlberg e os colegas afirmam que o Ventastega é uma boa forma intermediária --um bom "elo"- entre Tiktaalik e Acanthostega por conta da sua mandíbula inferior semelhante à de um tetrápode, mas com dentição típica de peixes.

Mas eles ressalvam que os "elos achados" até agora também mostram considerável grau de diversidade de formas entre estes animais primitivos, o que torna mais difícil colocá-los numa árvore de "família".

(fonte)


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

17
21

23
24
25
26
27



arquivos
links
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO