Blog de um algarvio, nascido e criado em Olhão, orgulhoso da sua terra, adepto fervoroso do S.C.Olhanense, licenciado em Biologia pela Universidade do Algarve, e mestre em Biologia da Conservação pela Universidade de Évora.
publicado por Ventura | Quinta-feira, 19 Novembro , 2009, 02:12
tags:

publicado por Ventura | Segunda-feira, 16 Novembro , 2009, 00:59

Chega-nos pelas mãos de Roland Emmerich esta Ode à destruição dos tempos modernos, de tudo o que conhecemos neste minúsculo ponto da Via Láctea.

Das mãos deste realizador alemão só esperávamos destruição, destruição e mais um pouco de destruição e, como de costume, não nos desiludiu. Desde leis da física quebradas até aqueles momentos de sobrevivência impossíveis de acontecer.

Passando por um avião a passar por todos os buracos de agulha possíveis, um presidente duro de morrer (algo me diz que aquele cruzador não lhe fez um arranhão...), massas de água gigantes a varrerem a face do mundo, cruzadores a passearem por Washington DC e muitas outras pérolas a que o Roland nos acostumou com o "The Day After Tomorrow". Com um elenco de luxo (John Cusack, Chiwetel Ejiofor, Amanda Peet, Oliver Platt, Danny Glover, Thandie Newton e Woody Harrelson) este filme apenas não falhou na quantidade de destruição e no Charlie Frost.

Segundo os Maias, em 2012 caput! Vai tudo desta para melhor. História pelo meio? Zero. Daquelas em que mais valia por dois dedos na garganta e jogar fora todo o jantar desta noite e voltar a comer o que jogámos fora. Muita lamechice em alturas que não necessitava. Cerca de uma hora que podíamos ter poupado de vida. De resto nada a dizer...

Woody Harrelson a espalhar magia pelo filme na pele de Charlie Frost, o "maluco" que salvou as personagens principais da morte certa. Espalhou magia até apanhar com uma rocha enorme proveniente do Yellowstone National Park...

Mesmo com as partes indesejáveis do filme, acaba com uma nota positiva. Cerca de 5 euros gastos para observar destruição. E da boa... Nice!

Só como nota final: é sempre bom saber que caso uma situação destas ocorra os nossos políticos sabem-se mexer! O mundo, pelos vistos, é só composto pelo G8...


publicado por Ventura | Segunda-feira, 09 Novembro , 2009, 10:50

Dass... Mas qual vampirinho imortal emo-gay-bonzão que, desafiando as leis da gravidade, salva a sua amada mortal de um outro vampirinho, armado em emo-gay-mauzão e que tem a mania de ter uns caninos maiores? Numa altura em que os filmes de vampiros atingiram um patamar em que eram tão interessantes como uma fatecha espetada no meio dos meus tintins, chega-nos esta lufada de ar fresco vinda diretamente não da Transilvânia, mas sim da Suécia. Sim, esse país escandinávo cujas condições de vida e crescimento económico nos relegam para os patamares dos países de 3º Mundo. Ou mesmo 4º.

Talvez mais conhecido por "Låt den rätte komma in", a premissa é a mesma - uma história de amor - mas com um conteúdo que destrói todos esses conceitos que pensávamos saber sobre este mundo dos sugadores de sangue.

Anos 80. Suécia. O amor mais simples e inocente que pode haver neste mundo entre duas crianças, Oskar e Eli. Oskar tem 12 anos. Eli há 200 anos que tem  12 anos. Pelo meio Oskar é vítima de bullying, tornando-o numa personagem em busca de força para se vingar, força esta que adquire com a chegada de Eli. E sem esquecer o que marca estes filmes - o sangue - em doses qb. Tudo isto em Blackeberg, subúrbios de Estocolmo.

Vale mesmo a pena.

Se gostaram muito do filme do vampirinho emo-gay-bonzão esqueçam. Este filme pode ter, em vocês, o mesmo efeito da fatecha...


publicado por Ventura | Domingo, 01 Novembro , 2009, 23:58

Esta noite passada foi a noite de Halloween. Uma data que era celebrada pelos celtas para comemorar o fim do Verão, sendo levada para os Estados Unidos da América pelos irlandeses e onde se popularizou na famosa frase "trick-or-treat" e nas abóboras com caras.

Para mim aqui fica o que daqui se aproveita desta tradição que nada tem a ver com a nossa cultura. Henry Selick. Em alemão. Só porque sim.

 


publicado por Ventura | Domingo, 01 Novembro , 2009, 23:56

Um daqueles filmes para esquecer, onde nem as indumentárias bem sugestivas nas actrizes ajudaram. Este só se resume a isto: quilos, quilos e quilos de CGI mal empregue.  Marlon Wayans!? Bahhh...


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos
links
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds